Mourão diz: Governo precisa ser proativo para impedir novos incêndios florestais


Bruna Barbosa e Jacques Gosch

O combate aos incêndios florestais precisa de "proatividade" por parte do Governo Federal para evitar que as queimadas se alastrem como em 2019, conforme avaliação do presidente da República em exercício, general Hamilton Mourão, que participou de uma reunião com o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), na manhã de hoje (10), para alinhar estratégias voltadas ao desenvolvimento, proteção e preservação da Amazônia Legal. 

Para Mourão, a iniciativa é "muito simples". Ele explicou que é necessário um sistema de monitoramento que seja, de fato, efetivo. "Sei que em Mato Grosso, o governador já tomou medidas para se antecipar ao problema utilizando imagens do sistema Planet, que são de resolução muito boas e dão capacidade quase que de imediato a ter controle sobre do que acontece no terreno", disse elogiando as ações do governador Mauro Mendes. 

De acordo com Mourão, a prioridade é que o Governo Federal se "antecipe" com relação às queimadas. Ele explicou que são usados três tipos de sistema de monitoramento e avaliou que tais recursos podem ser melhor distribuídos no futuro. 

Níveis alarmantes

O general ressaltou que é necessário a presença de uma equipe in loco, com capacidade de impedir que o fogo progrida como aconteceu durante o período de estiagem do ano passado. Em setembro de 2019, Governo de Mato Grosso chegou a decretar situação de emergência no Estado por conta das queimadas. 

O decreto teve duração de 60 dias e permitiu ações emergenciais, como a compra de bens e materiais sem licitação, além de autorização de busca de auxílios do Governo Federal para que os focos de calor pudessem ser combatidos. 

Para decretar emergência, o Governo do Estado citou o registro de 8.030 focos de calor em agosto de 2019, aumento acima de 230% em relação ao mesmo período de 2018, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O texto também falava sobre abaixa umidade relativa do ar, que atingiu níveis alarmantes.

Postar um comentário

0 Comentários