MPE pede Impugnação do Registro do candidato Luíz Fernando (MDB); CONFIRA!




MP ELEITORAL pede a impugnação do registro de candidatura do candidato Luís Fernando Alexandre (MDB) da coligação "juntos somos mais fortes".

Segundo o pedido do MPE, o candidato não teria apresentado suas contas de campanha na justiça eleitoral, referente as eleições de 2016, mesmo após ter sido notificado para apresenta-las (a decisão transitou em julgado em 28/02/2018). 

VEJA NA ÍNTEGRA O PEDIDO DA AÇÃO:


Número: 0600242-85.2020.6.11.0003 


Classe: REGISTRO DE CANDIDATURA 


Processo referência: 0600241-03.2020.6.11.0003 


Assuntos: Registro de Candidatura – RRC – Candidato, Cargo – Prefeito 


MM. JUÍZA ELEITORAL, 


O MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL, pelo Promotor ao final assinado, no regular exercício da delegação legal que lhe é conferida pelo art. 78 da LC n.º 75/93, vem à presença de V.Exa., nos termos do art. 3º da LC n.º 64/90, propor a presente Ação de Impugnação do Registro de Candidatura de LUIZ FERNANDO ALEXANDRE, devidamente qualificado nestes autos, em face das seguintes razões de fato e de direito: 


A Coligação JUNTOS SOMOS MAIS FORTES protocolou pedido de registro de seu candidato e junto com ele apresentou a documentação exigida em lei. 


Como se sabe, com o pedido de registro, devem ser levados à Justiça Eleitoral os documentos enumerados no art. 11 da Lei n.º 9.504/97, dentre os quais se destaca a certidão de quitação eleitoral. Esse documento objetiva assegurar a ausência de anotação, no cadastro eleitoral do candidato, de hipóteses de descumprimento de obrigações tipicamente eleitorais a todos impostas, como a plenitude do gozo dos direitos políticos, o exercício do voto, o atendimento às convocações da Justiça Eleitoral para trabalhos eleitorais (mesários, escrutinadores, etc.), a apresentação de prestação de contas de campanha eleitoral e a adimplência de multas. 


O candidato foi candidato nas eleições de 2016 e não apresentou suas contas de campanha à Justiça Eleitoral, nem mesmo após regular notificação para que o fizesse no prazo de 72 horas, sendo julgadas como não prestadas, em decisão definitiva da Justiça Eleitoral (transitada em julgado em 28/02/2018). 


Impende ressaltar, nesse ponto, que a não prestação das contas de campanha, além de constituir óbice à diplomação do candidato eleito (Lei n.º 9.504/97, art. 29, § 2º), implica em descumprimento de obrigação político-eleitoral a todos imposta (hipótese de suspensão de direitos políticos na forma do art. 15, da CF), impedindo a obtenção da quitação eleitoral pelo menos nos 04 (quatro) anos equivalentes ao mandato disputado, e para além desse prazo, até que as contas sejam prestadas, tudo por força do disposto no art. 73, I, da Resolução TSE n.º 23.463/2016, que veio a consolidar e ratificar o que preconizavam as Resoluções n.º 21.823/2004, 21.848/2004 e 22.715/2008, todas do TSE. 


Ademais, bom lembrar que a Lei 9504/97, em seu artigo 11, § 7º, inclui, entre os elementos constitutivos do conceito de quitação eleitoral, “a apresentação de contas de campanha eleitoral”. 


Assim sendo, o Impugnado não cumpriu obrigação eleitoral imposta a todos os candidatos, consistente em prestar as contas relativas à campanha eleitoral do ano de 2016, incorrendo, substancialmente, em ausência de quitação eleitoral no período de 01-janeiro-2017 a 31-dezembro-2020. 


Com efeito, aquele que não cumpre suas obrigações eleitorais não está quite com a Justiça Eleitoral e não está apto à candidatura, por não reunir a plenitude dos direitos políticos. 


Constituindo a quitação eleitoral, destarte, requisito indispensável ao registro de candidatura (condição de elegibilidade, na visão do próprio TSE), forçoso concluir, portanto, que o indeferimento do registro do candidato que não apresentou suas contas no prazo legal relativamente às eleições de 2016, em decisão definitiva, é medida que se impõe. 


Ante o exposto, o Ministério Público Eleitoral requer: 


1) Seja recebida a presente e autuada junto aos autos do registro de candidatura do Impugnado; 


2) Seja determinada a notificação do Impugnado para a defesa que tiver, no prazo de 07 (sete) dias; 


3) Estando a matéria fática provada por documentos, sem necessidade de dilação probatória, seja julgada procedente a impugnação para indeferir-se o pedido de registro de candidatura e; 


4) Para o caso de V. Exa. entender necessária a produção de provas, protesta o Ministério Público Eleitoral por todos os meios em direito admitidos, com o fim de fazer prevalecer a verdade real dos fatos. 


Rosário Oeste, data da assinatura eletrônica. 



ALEXANDRE BALAS 


Promotor de Justiça Eleitoral

Postar um comentário

0 Comentários